sábado, 2 de fevereiro de 2013


Nostalgia


AS saudades de vós que fostes meus mentores,
A saudade de outros que me habituei a cumprimentar.
Sigo em frente, mas tenho saudades,
Saudades dos meus protetores,
Ou só das minhas amizades, que me fazem recordar.
A minha infância, a minha rebeldia
E o gosto de ser amada por todos em redor.
A meninice, a despreocupação,
As amoras, aquelas que eu apanhava
Tarde fora pelos quintais, mais a criançada.
E jogar, joguinhos por nós inventados.
A chamada da mãe, para uma tarefa
E corria, para ela não ficar zangada.
As saudades de ter a alegria do presente de Natal,
 Ou um bolinho no dia de aniversário.
Que especial é esta saudade,
Que não me deixa triste, mas deixa-me nas mãos pedaços.
Pedaço de vós onde me agarro para não ficar cansada.
De ver que agora, não há tempo para ter saudades.

Olívia Marinho