domingo, 22 de setembro de 2013

Despedida



Quanto tempo mais vais resistir?
Quanto tempo mais tem o teu destino,
Que vidas tens de pagar
Para depois poderes descansar
Vê o teu corpo
 já lá do alto vês o teu corpo
Que faz ali aquele pedaço de matéria?
aquele ser indefeso, que fez maravilhas,
que deixou marcas, na sua passagem
nesta vida que já não é sua.
Ao seu lado alguém vela, chora e acaricia,
Pena, já não sente aquele corpo, já não sente
Já lá do alto, vê o carinho nos olhos desse alguém.
E para que não mais sofra,
O corpo inerte, abriu os olhos
despediu-se com uma lágrima,
mas ainda deixou-lhe um sorriso,
quem ficou sentiu-se mesmo bem.

Olívia Marinho